Segunda-feira, 11 de Setembro de 2006

O que é demais enjoa.

     Quase todos os dias ouço ou leio nos mais variados meios de comunicação observações que mais não fazem que espancar ainda mais a já violentada classe docente.

     Mas que mal fizemos nós a esta gente que parece tirar algum tipo de prazer ao injuriar-nos. Usam palavras de seda para nos chamar preguiçosos, ignorantes, incompetentes, faltosos, acomodados e favorecidos.

    

   Uns dizem que somos os mais bem pagos da OCDE... É curioso como esta notícia saiu exactamente na mesma altura em que o M. E . apresentou a 2.ª proposta para a revisão do Estatuto da Carreira Docente (que por sinal é bem mais gravosa que a 1.ª). Que dirá disto o cidadão comum? Bem, alguns talvez até confundam OCDE com CEE.

Um professor contratado e em início de carreira recebe à volta de 1000 euros. Tendo em conta que é um profissional licenciado e pertence aos mais qualificados quadros do estado, juntamente com os médicos e os magistrados, acham muito?

Se vivermos no Minho e tivermos de ir dar aulas para o Algarve o ordenado é o mesmo do colega que tem a sorte de ter a sua escola a 2 kms de casa. Não temos ajudas de custo para deslocação para o local de trabalho, nem viaturas do estado, nem subsídios de alojamento e o de alimentação é o igual a qualquer outro trabalhador. Ainda acham muito???

    

Quanto ao Ministério da Educação, esse tem uma meta a atingir e para isso segue uma estratégia em que usa de quaisquer meios para levar a sua avante:

 

     1.º Fomenta a raiva e conflitos entre as pessoas. Atira encarregados de educação contra professores, dizendo-lhes que estes últimos faltam em demasia, são preguiçosos, trabalham pouco e mal, no fundo, que formam de forma irresponsável os seus educandos. Dizem que temos medo da avaliação dos pais e isso é falso. Concordo que sejamos avaliados e que os pais também tenham uma palavra a dizer, mas para isso, os pais e encarregados de educação têm de ser conscientes na avaliação que fazem, sabendo distinguir os resultados dos seus educandos da competência e empenho do seu professor.

 

    

     2.º Cria insegurança, fragiliza as pessoas separando-as da sua terra e das suas famílias.

     A Sr.ª Ministra referiu que este ano não se fala nos professores desterrados. Pois não Sr.ª Ministra, pois uma boa parte de professores ainda não sabe ao certo para onde vai dar aulas, encontrando-se provisoriamente afecto administrativamente numa escola qualquer. Desde 2.ª feira passada que disse que se daria a publicação das  1.ªs colocações cíclicas... até hoje nada.

     Por exemplo, eu sou de Viseu, pertenço ao QZP de Braga e fui colocada administrativamente em Vizela e desde o fim do mês passado que ando cá e lá, sem saber se deva ou não alugar lá casa, pois não sei se lá vou ficar o ano todo. São 2h45m de viagem para lá e 2h45m para cá. Mas o meu caso não é único, só na minha escola, em Vizela, somos 5 nesta situação. E como nós, ou em pior situação, encontram-se milhares de colegas.

     Estas situações são desgastantes e consomem o equilíbrio mental de qualquer docente, que começa já o início do ano lectivo cansado. E é assim há 3 anos, desde que os concursos começaram a ser via Internet.

 

    

    3.º Usa os meios de comunicação social, distorcendo notícias, virando a opinião pública conta os docentes. Só a título de exemplo, quando há alguma greve, contrapõe com estudos falseados onde refere que os docentes faltam muito (nestes estudos, pasme-se, são contabilizadas faltas por maternidade e paternidade,  por casamento ou falecimento, de doença e frequência a acções de formação, todas justificadas ao abrigo da lei).

 

   

    4.º Propõe uma alteração ao Estatuto da Carreira Docente que mais parece ter sido redigida por um homem e que se demonstra nitidamente sexista, sendo altamente gravoso para a mulher docente, grávida e mãe, restringindo o direito das docentes a faltar para consultas pré-natais e de apoio aos descendentes, pois pretende que estas faltas deixem de ser contabilizadas como tempo de serviço. Também para o docente que eventualmente venha a adoecer, esta proposta prevê medidas inumanas, que podem passar por cortes bastante significativos no ordenado.

     E por fim, divide os professores em 2 classe, os professores e os professores titulares. Isto poderá criar constrangimentos e mal-estar, hierarquias desnecessárias entre profissionais que frequentemente para além de colegas são amigos (coisa rara em outras profissões).

 

 

     Com tudo isto, tenta-se desunir as pessoas, pois como é sabido, a união faz a força. É uma boa e maquiavélica técnica política do Ministério da Educação - SEMEAR O CAOS PARA PODER GOVERNAR.

 

Já agora, para os docentes desencantados com toda esta situação, visitem este blog - http://educare.blogs.sapo.pt/ - vão ter uma bela surpresa. 

Deixei lá um comentário, mas que está sujeito a homologação pela gestora do blog. Será que serei censurada? Em altura oportuna aqui colocarei integralmente o comentário que fiz a este blog e aos seus artigos.

hoje estou: irritada
publicado por soniaaandrade às 15:45
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


- visitantes -

counter

- sobre mim -

Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

- visitantes -

counter

tags

todas as tags

- posts fresquinhos -

Como são vistos os profes...

Dia da Criança

Para descontrair...

Uma lembrança - Dia da Mã...

Amanhã é Dia da Mãe

Gotye - Somebody That I U...

O que mudou em 6 anos....

O Soniarte vai voltar ao ...

Hoje estou de luto

O que é demais enjoa.

mais comentados

7 comentários
7 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários

- sítios do costume -

- minhas fotos -

blogs SAPO